segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

(crítica - EP) How to dress Well - Just Once EP (2011; Love Letter's Ink, EUA)

Imagine o Justin Timberlake doido de ácido, pirando em um 4-Track Cassette Recorder. Eis uma boa maneira de definir o som do How to Dress Well. Além do aclamadíssimo Love Remains, de 2010, Tom Krell traz na bagagem uma série de Singles e DJ Sets acumulados entre os dois últimos anos. Em Julho de 2011, foi a vez de Just Once, um EP contendo três regravações e uma música inédita. É preciso saber que esse EP é um trabalho beneficente. Parte de sua renda é destinada à MindFreedom, instituição voltada ao tratamento de doenças mentais.

Logo no começo de "Suicide Dream 1", uma surpresa: a música original, eletrônica e com um pé no Lo-fi, deu lugar a uma música totalmente nova, composta por um belíssimo coral acompanhado por uma orquestra. Pois é, esqueça as camadas carregadas de chiado e as texturas derretidas. Toda aquela piração eletrônica foi pro saco. E não necessariamente isso é algo ruim.

"Suicide Dream 2" aposta em um clima intimista no piano, com um vocal inspirado na fase de ouro do R&B, lembrando ao longo da música dos mais diversos nomes do catálogo da Motown. O resultado é uma música carregada de paixão e com um inegável apelo pop.

"Suicide Dream 3", por ser a única música inédita, traz uma expectativa maior do que as demais. A música inteira é delicada como um sussurro e, ao mesmo tempo, cria uma atmosfera carregada. Tanto faz se você está bem ou está na merda - é o tipo de música agradável de ouvir em qualquer ocasião.  

A quarta e última música, "Decisions", chega até nós com a obrigação de ser boa. Se na versão original a música possuía uma batida pesada e timbres encardidos (juro que foi um elogio), a versão apresentada em Just Once ganha o mesmo arranjo suave das demais músicas do álbum, encerrando a bolachinha que ganhou uma versão em vinil de dez polegadas. Não é apenas um disco pra fazer um amorzinho na sexta-feira sem hora pra acordar no sábado, mas também um disco pra quem não tem com quem trepar e precisa de uma boa trilha sonora pra ouvir no ônibus a caminho do trabalho, preso no engarrafamento.

Thiago Miazzo

Nenhum comentário: