segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

(crítica - disco) Karasyozoku - Mischievous Sigyn 1923  [2008, Lust Vessel, Japão]

Triste e desconfortável: essa é a melhor maneira de definir Mischievous Sigyn 1923. Pesquisando a respeito do Karasyozoku, descobri que o Cassette foi inspirado em um terremoto que devastou o Japão no tal ano, deixando cerca de 142 mil mortos na região de Kanto. Pois é, todas as músicas têm como tema central o tal terremoto e suas consequências políticas e sociais. Eis aqui o meu presente de natal atrasado, pra arruinar o ano-novo de vocês. 

O trio formado por Annoying Labia, Dr. Torikabuto e Kichi faz um industrial encardido, com uma dose maciça de dark ambient e experimentalismo drone, como podemos perceber em "Sigyn Turned The Basin Over Her Husband At Last", a música que abre o cassette. O uso de orgãos Hammond, pedais e as referências à música concreta mostram a paixão dos três pela velha escola da música industrial.

A sonoridade ganha um aspecto mais bruto e sombrio em "Strayers Seek Crowd, Even Though They Don't Have The Reason", enquanto em "Balm From The Crucible Of Corpses",  o trio trabalha frequências agudas, aos moldes da escola japonesa. E os caras não brincam na hora de arruinar com os agudos - é o tipo de música que te faz suar frio ao pensar em seus dez minutos de duração.

"Fact is More Horrible Than Drama" faz uso de vocais femininos e tem forte influência da música concreta. Como em todas as outras faixas, temos a sensação de incômodo, as pernas não param de balançar, a cadeira ganha um aspecto sólido e claustrofóbico, o impulso de mexer nos cabelos a cada minuto... Isso é que eu chamo de sentir a música. 

"To Be Or Not To Be; Criminals As Existence" me faz duvidar se essa tape foi mesmo gravada em 2008, o som do Karasyozoku é anos 80 PURO! Whitehouse, Club Moral, Male Rape Group, são algumas das referências encontradas nesse som, feito mais de vinte anos depois.

"Die Todesfalle Und Die Dirnen" traz a mesma frequência aguda que quase me explodiu o crânio agora há pouco, acompanhada  por loops de orquestra e barulhos de portas, madeira rangendo, aquele climão de filme de terror antigo, da época em que o gênero trabalhava a tensão de uma maneira mais ampla, sem se limitar ao uso exagerado de sangue e violência gratuita.

Mischievous Sigyn 1923 não é um álbum fácil de ouvir - ele pede algumas pausas. Dois minutinhos pra passear pela casa, aliviar um pouco a tensão, tomar um copo d'água. Ainda assim, é uma jóia rara no meio da maravilhosa cena noise japonesa. Intenso até as tripas, altamente recomendado para todos os interessados em música experimental. Uma pena que o Karasyozoku só tenha lançado esse material, limitado a ridíulas 150 cópias, óbviamente esgotadas.

Nenhum comentário: