quarta-feira, 27 de março de 2013

Alberich - Turned Back (2013; Hospital Productions, EUA)




Em 2012, Turned Back passou despercebido pelo público: lançado pelo próprio artista de forma independente, limitou-se a algumas poucas cópias, distribuidas entre os amigos mais próximos. Não vazou, não deu as caras nos fóruns especializados, ninguém fora do círculo de amizades do Kris Lapke chegou a ouvir. Por meses, Turned Back manteve-se envolto em mistério, deixando como o único registro de sua existência um link no website Discogs, contendo a arte de capa e poucas informações. Já em 2013, ganhou um re-release através da Hospital Productions: uma tiragem igualmente baixa,  esgotando-se em pouquíssimo tempo. Assim como muitos outros registros do artista, Turned Back já é um item de coleção, um album obrigatório que ninguém poderá adquirir.

Mais conhecido por seu trabalho como engenheiro de som, ao longo de sua carreira trabalhou com Kevin Drumm, Prurient e, mais recentemente, produziu as tapes de um dos artistas mais relevantes do noise da década de 10, o Cremation Lily. Também consta em seu curriculum os álbuns Nato-Uniformen e Psychology of Love, ambos da alcunha Alberich. Enfim, um sujeito que trabalha muito, mas que prefere manter a careca lustrosa bem longe dos holofotes. Em 2012, debutou com o projeto paralelo Bronze Age, inteiramente dedicado à música eletrônica — o “Vatican Shadow do Lapke”. Esse registro afetou de forma bem significativa o seu direcionamento com o Alberich: Fall Where They Would já dava sinais de um desgaste no modelo vigente, mas não apresentava mudanças tão notáveis quanto as de Turned Back.

Explorando beats lineares e sobrepostos, Lapke flerta com a ambiência do dub techno com a mesma naturalidade que busca referências vocais nos primeiros trabalhos do Killing Joke. Todos os componentes foram gravados em um volume muito alto, de modo que o abuso de sintetizadores não comprometem a sonoridade hostil do álbum – uma das características do artista em questão. Desde já, trata-se de um dos melhores álbuns de 2013. Não parece, mas é. Por mais que as peripécias ‘dark techno’ da galera da Hospital já estejam ficando manjadas, Turned Back é uma jóia rara em meio ao rico catálogo da distro. Distorcido na medida certa, perturbadoramente alto, claustrofóbico, rítmico sem fugir do universo do artista, barulhento sem fazer do registro um álbum com cara de poucos amigos. Um disco feito pra dançar — na festa mais down e miada do mundo. Fundamental. Necessário.

Thiago Miazzo

Nenhum comentário: